Discurso de Patrice Lumumba durante a cerimônia de independência 30 June 1960

Patrice Lumumba
5.0
01

combatentes congoleses e congolesas hoje independência vitorioso, Saúdo-vos em nome do governo congolês. Para todos os meus amigos, que lutaram incansavelmente ao nosso lado, peço-lhe para fazer em junho deste ano 30 1960 uma data ilustre que você vai manter. Para todos os meus amigos que lutaram incansavelmente ao nosso lado, peço-lhe para fazer este 30 1960 junho uma data ilustre que você vai manter indelevelmente gravado em seus corações, uma data que vai ensinar-lhe orgulhosamente significado para os seus filhos, de modo que eles, por sua vez, façam conhecer a seus filhos e netos a gloriosa história de nossa luta pela liberdade. Por esta independência do Congo, se for proclamada hoje, de acordo com a Bélgica, um país amigo com quem lidamos como iguais, não digno congolês do nome nunca será esquecido que é através luta que foi conquistada, uma luta todos os dias, uma luta ardente e idealista, uma luta em que não poupou nem forças nem nossas dificuldades, nem o nosso sofrimento, nem nosso sangue.

É uma luta que era lágrimas, fogo e sangue, estamos orgulhosos de fundo de nós mesmos, porque era uma luta nobre e justa, uma luta essencial para acabar com a escravidão humilhante que foi forçado sobre nós pela força. Qual foi o nosso destino em 80 anos de domínio colonial, nossas feridas são muito recentes e dolorosas demais para sermos capazes de expulsá-las de nossa memória. Temos experimentado o árduo trabalho exigido em troca de salários que não nos permitiram comer nossa fome, nos vestir ou nos hospedar decentemente, ou criar nossos filhos como entes queridos. Conhecíamos as ironias, os insultos, os golpes que tínhamos que passar de manhã, tarde e noite, porque éramos negros.

Quem vai esquecer que um homem negro disse "você", não como amigo, mas porque o "você" honroso foi reservado apenas para brancos! Conhecemos nossas terras roubadas em nome de textos supostamente legais, que só reconheciam o direito dos mais fortes. Sabíamos que a lei nunca era a mesma, dependendo se era branca ou preta, acomodando alguns, cruel e desumana para os outros. Conhecemos os sofrimentos atrozes dos relegados por opiniões políticas ou crenças religiosas: exilados em sua própria pátria, seu destino era realmente pior do que a própria morte. Sabíamos que nas cidades havia casas magníficas para os brancos e cabanas desmoronando para os negros; que um negro não era permitido nos cinemas, nos restaurantes ou em lojas chamadas "européias"; que um negro estava viajando no casco de barcaças ao pé do branco em sua luxuosa cabana. Quem esquecerá, finalmente, os tiroteios em que tantos dos nossos irmãos pereceram, ou as masmorras onde foram brutalmente lançados os que não queriam mais se submeter ao regime de justiça de opressão e exploração!

Juntos, meus irmãos, minhas irmãs, começaremos uma nova luta, uma luta sublime que levará nosso país à paz, prosperidade e grandeza. Construiremos juntos a justiça social e garantiremos que todos recebam a compensação correta pelo seu trabalho. Vamos mostrar ao mundo o que o homem negro pode fazer quando trabalha em liberdade e vamos fazer do Congo o centro de influência de toda a África. Garantiremos que as terras de nossa terra beneficiem verdadeiramente seus filhos. Vamos rever todas as leis antigas e fazer novas que serão justas e nobres. E para tudo isso, caros compatriotas, ter certeza de que podemos contar não só em nossas enormes forças e nossas imensas riquezas, mas com a ajuda de muitos países estrangeiros aceitamos a colaboração cada vez que é justo e que não procurará nos impor nenhuma política.

Assim, o novo Congo que meu governo criará será um país rico, livre e próspero. Peço a todos que esqueçam as disputas tribais que nos esgotam e nos arriscam a nos desprezar no exterior. Peço a todos que não se abstenham de qualquer sacrifício para garantir o sucesso de nosso grande empreendimento. A independência do Congo marca um passo decisivo para a libertação de todo o continente africano. Nosso forte governo nacional-popular será a salvação deste país. Convido todos os cidadãos, homens, mulheres e crianças congoleses a trabalharem arduamente para criar uma economia nacional próspera que garanta a nossa independência económica. Homenagem aos combatentes da liberdade nacional! Viva a independência e a unidade africana! Viva o independente e soberano Congo!

Obrigado por reagir com um emoticon e compartilhar o artigo
Ame
Haha
Wow
Triste
Com raiva
Você reagiu "Discurso de Patrice Lumumba durante a cerimônia" Há alguns segundos

Ler também